Tudo Sobre o Seguro DPVAT

Quem possui veículo próprio recebe anualmente uma cobrança do Detran que é obrigatória e se chama DPVAT (Danos Pessoais Causados Por Veículos Automotores). Este seguro tem como objetivo ajudar financeiramente as vítimas de qualquer acidente de transito, independente de quem estiver culpado pelo acidente ocorrido.

O DPVAT se compromete em pagar até R$ 2.700 que cobrirá as despesas médicas ou até R$ 13.500 em caso de invalidez ou morte.

Todos os proprietários de veículos automotivos são obrigados a pagar esse seguro, normalmente vem junto com a primeira parcela do IPVA ou em uma única parcela que é paga a vista. Se não for pago estará com o licenciamento irregular.

Como pagar o DPVAT

Proprietários de veículos como motocicletas, ônibus, vans e micro-ônibus podem pagar mais pelo DPVAT, tem a opção de pagar a vista ou parcelado. O parcelamento é feito em até três parcelas com o valor fixo e elas devem ser pagas no vencimento das parcelas do IPVA.

Para quem optar o pagamento a vista, a cobrança será feita com um valor com desconto de forma única ou na primeira parcela do IPVA do ano que será feito o pagamento. Em veículos com isenção de IPVA o vencimento acontece juntamente ao emplacamento ou até mesmo no licenciamento anual.

Receber o seguro DPVAT

O direito de receber o seguro é dado a toda pessoa que se envolveu em um acidente de trânsito que ocasionou morte, despesas médico-hospitalares ou até mesmo invalidez permanente.

A solicitação do seguro para indenização por ser feita em qualquer ponto de atendimento DPVAT, é importante saber qual é o local mais próximo de sua residência.

A indenização é recebida em até 30 dias e o pedido é feito de forma gratuita. Ou seja, não poderá ser cobrado por isso e desconfie se for informado que há taxas a serem pagas.

Também é possível consultar o andamento da indenização pelo telefone 0800-022-1204 ou até mesmo pelo próprio site do DPVAT.

Além de ser usado para o reembolso de acidentes, metade do pagamento do DPVAT vai para o Governo Federal para que seja investido em saúde pública e também em toda a politica nacional de trânsito.

Essa metade arrecadada é dividida entre:

45% dos fundos vão para FNS (Fundo Nacional de Saúde) que bancará toda a assistência médico-hospitalar de quem sofreu o acidente de trânsito;

5% irá para o DNATRAN (departamento Nacional de Trânsito) para que o desenvolvimento de programas de prevenção de acidentes no transito seja continuo e cada vez mais eficaz.

É importante lembrar que o DPVAT não cobre danos materiais ou até mesmo acidentes que ocorrem fora do território nacional. Caso o acidente ocorra por condutores brasileiros nos países do Mercosul, por exemplo, se torna obrigatório um seguro similar que se chama Carta Verde.

Algumas coberturas importantes também não fazem parte de todo o escopo que o DPVAT oferece, por exemplo, caso o acidente ocorra em um carro importado e não houver vítima, é provável que o motorista exija alguma compensação. Para isso é importante que faça uma cobertura com seguro.

Compartilhar é se importar!

Rolar para o topo